Cadastro
Receba em seu e-mail onde ocorrerão as melhores baladas.
  
Parceiros

Queda no IPCA dá mais 'liberdade' para BC baixar juros, diz Mantega


Segundo ministro da Fazenda, IPCA de maio foi 'muito bom'. Ele acrescentou que o resultado do PIB do segundo trimestre será melhor.

 

 

 

 
 
Mantega, durante entrevista nesta sexta-feira (Foto: Fabíola Glenia/G1)
Mantega, durante entrevista na sexta-feira
(Foto: Fabíola Glenia/G1)

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, avaliou nesta quarta-feira (6) que o resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que ficou em 0,36% em maio, com queda frente ao mês anterior, é "muito bom" e dá "graus de liberdade" para que o Banco Central possa ter uma "política monetária mais flexível", ou seja, reduzir mais ainda a taxa básica de juros da economia brasileira. Atualmente, o juro está em 8,5% ao ano, o menor da história.

"O IPCA de 0,36% é muito bom. Significa que a inflação anualizada em 12 meses está abaixo de 5%, está caindo em relação ao ano passado. Isso nos dá graus de liberdade para ter uma política monetária mais flexivel, ou seja, redução de taxa de juros e aumento do crédito. Aliás, isto já está ocorrendo. Já há um aumento do crédito em maio, e continuará em junho, com redução de taxas de juros também. E isso já está estimulando o consumo e o investimento", afirmou Mantega a jornalistas.

O IPCA é considerado a "inflação oficial" do país, usada como base para as metas do governo. Taxas de juros elevadas são uma das ferramentas do governo para conter a inflação, uma vez que "retiram" dinheiro do mercado e reduzem o consumo. Taxas menores de inflação, dessa forma, permitem a redução de juros. Isso porque o BC calibra a taxa básica da economia tendo por base a meta central de inflação, que para este ano e para 2013, é de 4,5%. Com o intervalo de tolerância existente, o IPCA pode oscilar entre 2,5% e 6,5% sem que a meta seja formalmente descumprida.

IPCA em 2012 (Foto: Editoria de arte/G1)

Crescimento maior no segundo trimestre
Segundo o ministro da Fazenda, a expectativa, com esse crescimento do crédito e também das vendas no varejo, incluindo ainda o setor automotivo, é de que o Produto Interno Bruto (PIB) acelere no segundo trimestre deste ano frente ao resultado dos três primeiros meses de 2012 - quando foi registrada uma expansão de 0,20%.

"A economia já está em uma rota positiva. O setor que estava crescendo menos no primeiro trimestre é o automobilístico, que tem um peso grande no PIB. Agora, vai crescer mais do que outro setores. Estaremos reconstituindo um crescimento maior [do PIB]. O setor de varejo também deu uma recuperada boa. Está com crescimento mais elevado. Com isso, deveremos ter o segundo trimestre deste ano com um crescimento do PIB maior do que o primeiro trimestre", avaliou ele.

 

Investimentos
Guido Mantega declarou ainda que o governo está reforçando os investimentos públicos para estimular uma expansão maior da economia brasileira. "O investimento do governo está crescendo. Estamos com um crescimento do investimento do governo cerca de 30% maior do que igual período do ano passado, e isso abrange inclusive o setor habitacional [Minha Casa Minha Vida]", afirmou.

O ministro também disse que as empresas estatais também estão fazendo investimentos maiores do que em 2011, e acrescentou que a Petrobras também investirá mais neste ano. "As estatais também estão fazendo investimentos maiores do que no ano passado. A Petrobras também estará com investimento maior. Vamos anunciar semana que vem o plano de negócios [da Petrobras] e estaremos, portanto, com o investimento crescendo neste período", declarou.

Sobre os investimentos privados, Mantega afirmou que ele está "um pouco assustado com a situação internacional", mas avaliou que a tendência, com a manutenção do crescimento econômico no Brasil, é que "comece a se animar".

"Temos um crise muito forte lá fora que não se resolve. Eu espero que se resolva logo, e isso deixa um pouco temeroso o setor privado. Porém, como estamos mostrando que a economia brasileira pode crescer mesmo com uma crise muito forte lá fora, o setor privado começa a se animar. E estamos dando condições ao setor privado para ter custos mais baixos, além de custos tributários e financeiros mais baixos. As linhas do BNDEs estão aí. As condições todas estão dadas para que também o investimento privado possa se recuperar e ter um bom desempenho neste ano", concluiu Mantega.

 

Fonte: G1



Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Enquete
O que você esta achando administração da presidente Dilma Rousseff
Ótimo
Bom
Péssimo
Regular
Horóscopo
Descubra o que os astros reservam para você.
Publicidade
Fale conosco
E-mail: jornal.coruja@hotmail.com
Cel. 12 98271-4123 / 12 98289-6973